• Como se organizar para emagrecer com marmitas saudáveis
16  02
2015
Filmes e Séries

Necessaire Cultural | Caminhos da Floresta

Como dizia Nando Reis: “desculpe, estou um pouco atrasado… mas espero que ainda dê tempo”.

Se vocês me perdoarem, eu também me perdoo por este post não ter sido publicado ontem. Mas gente, carnaval é isso aí. Atrasei! E tem muita menstruação que vai passar por isso também. Então, apreciem hoje o post de ontem, já que de sexta passada até quarta que vem, é como se fosse um dia só. Prometo que não acontecerá novamente.

Como eu sei que vocês são lindas (e lindos) e levarão numa boa o ocorrido, vamos em frente. Trago notícias do cinema.

caminhos-da-floresta-01

Semana retrasada eu assisti Caminhos da Floresta, um filme que mandou os irmãos Grimm pro brejo.

Sei que a adaptação vem de um sucessão da Broadway, mas comigo não rolou. Duas horas emaranhadas, divididas em dois tempos que olha, só por Deus.

No primeiro, as histórias correm (velozmente) Q-U-A-S-E como ouvimos um dia.

Entendi os 12 anos da classificação etária quando Johnny Depp (o lobo mau) deu a entender que preferia a Chapeuzinho nos 50 tons de cinza. Certamente Tim Burton ficou de cabelo em pé com o papel que ele se prestou.

Tim Burton

Imagens: Reprodução

Lí críticas pesadíssimas por aí e não estou aqui para falar a altura, porque não entendo bulhufas de cinema. O que eu sei é que fugi tanto de Mamma Mia! e dei de cara com a Meryl Streep cantando desenfreadamente. Não só ela. A Rapunzel, a Chapeuzinho Vermelho, a Cinderela, dois príncipes, um padeiro, a esposa do padeiro… Menos a vaca do João do Pé de Feijão, que tadinha: magra, não dava leite, foi vendida, morreu, ressuscitou (ok?), comeu cabelo e soltou loção rejuvenescedora pela teta. Teve uma atuação intensa.

Falando um pouco mais na Meryl (que em época de vacas gordas vestia Prada): continua infernizando a coitada da Emily Blunt. Bruxa por bruxa, antes era um problema profissional e agora ficou pessoal, já que dessa vez a moça não consegue ser mãe, graças a uma maldição que Meryl jogou no marido dela. Sorte que a mesma, no ápice da sua interesseira bondade, propõe uma super gincana para desfazer o feitiço. É aí que começa a história.

O padeiro e a esposa são obrigados a sair pela floresta caçando coisas que – só a gente sabe – pertencem aos personagens das histórias Grimm: uma capa vermelha como sangue, uma vaca, um cabelo sei lá como e um sapato. Enquanto eles correm sem direção alguma (#MarshallFail), todo mundo continua cantando no que seria a segunda parte da história.

A Cinderela (que vem lá do Crepúsculo) foge do príncipe três noites seguidas. E não é porque a hora vai avançando, não… é porque ela – super prafrentex – não sabe se tá a fim do cara. Ele, por sua vez, dá o couro para conquistá-la e depois que está tudo certo, beija a mulher do padeiro (homens…..), que reage num estilo Vegas: o que acontece na floresta, fica na floresta.

O João e a Chapeuzinho são ótimos. Só não consigo definir se cheguei a essa conclusão porque realmente são ou porque quase não aparecem.

E se você já está achando tudo isso uma farofada, tenha em mente que contei metade da coisa toda aqui. Tem ainda a Rapunzel que é filha da bruxa, certo? Tem a gigante que desce lá da ala superior irritadíssima querendo catar o João e detona a floresta para descontar seu nervoso. Tem o momento absurdo em que chapeuzinho e vovó aparecem inteiras dentro da barriga do lobo Depp e depois saem de lá como quem passa por uma porta.

Não querendo fazer suspense, mas o final eu nem sei explicar. Vocês terão que assistir. Considerem que tudo nessa vida é experiência. Se doer no bolso pagar a entrada do cinema, apelem pro Mega Filmes e boa sorte.

Juliana Castellan | Redatora Publicitária
julianacastellan.com.br

Veja mais posts da Ju na tag Necessaire Cultural! ;)

15 comentários
Deixe um comentário pra mim!

  1. Alexandra
    17.Fevereiro.2015

    Esse filme foi uma decepção :(

    • 18.Fevereiro.2015

      Ale,

      Concordo contigo. Mas tudo bem, 50 Tons tá aí pra nos revigorar (ou não, ainda preciso assistir! rs)

      Beijão…

  2. luna
    17.Fevereiro.2015

    Cara esse foi o pior filme da historia!! aguentei 1 h so e sai do cinema.
    amo musicais, mas esse ai eh sem pe nem cabeça. Podem dizer q eh da broadway, q eh coisa de gente inteligente, mas eu nao ligo em dizer que NAO GOSTEI!!
    Musical bom é dream girls e fantasma da opera..
    Fora q a historia do filme eh insuportavel assim como a chapeuzinho vermelho.
    Qria meu dinheiro de volta. qndo sai do cinema o cara q cuida da porta falou q mta gente sai no meio do filme, ou se aguenta ate o final fala q ele eh pessimo…

    • 18.Fevereiro.2015

      Luna,

      Concordo com você em cada vírgula. E sabe que eu também ouvi falar que muita gente saia antes de terminar o filme? Bom… sabemos o motivo, só tivemos um pouco mais de paciência, né?

      Beijão!

  3. 18.Fevereiro.2015

    Ufa, achei que só eu tinha odiado mais que tudo que já vi. Não entendi bulhufas, achei prafrentex e quase infartei que não tinha quase nenhum diálogo sem cantoria… Poxa, ainda concorre ao Oscar em várias categorias.. Why?

    http://www.estiloadois.com.br

  4. Leticia
    18.Fevereiro.2015

    Sem contar que o filme todo é muito escuro… Affff, adoro o Jony Deep, mais esse filme ele nem apareceu direito, e quando apareceu decepcionou :\

    • 18.Fevereiro.2015

      Letícia,

      quando ele apareceu, eu até pensei “nossa, o ator perfeito pro papel”. Só que qdo terminei de pensar isso, ele já não estava mais na tela. rs…

      Beijão!

      • Leticia
        19.Fevereiro.2015

        Bem isso kkkkkkk
        Beijos Ju

  5. Angela
    18.Fevereiro.2015

    Eu gostei do filme.
    Acho que a maioria das pessoas vai no cinema por ir, sem pesquisar um pouco do que vai ver, e acaba se decepcionando. Na grande maioria das vezes, musicais não são bem aceitos, a não ser por crianças ( no caso de desenhos animados).
    É claro que o roteiro tem problemas, mas assim como não é fácil adaptar um livro pras telonas, um musical de teatro também não é.
    Tirando a parte do padeiro, que eu realmente não entendi o porque de a bruxa resolver do nada desfazer o feitiço (talvez porque tenha percebido a bondade deles – como no caso em que deixaram a Chapeuzinho levar quase toda a comida). No mais, eu me diverti. Achei bem interessante a Cinderela ter dúvidas sobre o príncipe, e na hora da musica em que os dois principes cantam eu ri horrores! Sobre a Chapeuzinho sair da barriga do lobo viva e a Gigante descer do pé e destruir tudo, bom, foi assim que eu aprendi estas histórias…. talvez por isso não tenha achado assim tão absurdo.
    No fim das contas, gostei da mensagem que o filme queria passar: cuidado com o que se deseja!
    Beijão!

    • 18.Fevereiro.2015

      Angela,

      você pertence a uma minoria e é sempre bom ouvir pontos de vista diferentes. Obrigada por ter vindo.

      Beijão!

  6. 18.Fevereiro.2015

    Não costumo gostar muito de musicais. São sempre cansativos.
    Bj e fk c Deus.
    Nana
    http://procurandoamigosvirtuais.blogspot.com.br

    • 18.Fevereiro.2015

      Nana,

      gosto de musicais no teatro. Mas no cinema… estou contigo, viu! Sei que é muito cabeça dura da minha parte, mas enfim… rs

      Beijão!

  7. 20.Fevereiro.2015

    Ahhhhh adorei seu post.
    A primeiro momento foi o que eu havia pensado, e até pedi minha primeira hora de vida novamente, mas depois da fusão das histórias e de perceber que foi além do óbvio esperado de todos os contos. Fiquei atraída a assistir até o final e em uma questão de segundos fui a minha infância e voltei, relembrando dos contos que passavam na TV Cultura enquanto minha mãe preparava o meu jantar. Então o que posso dizer é que eu amei o filme, lógico que encontrei algumas falhas principalmente pelo filme ser escuro, um dos atores mais conhecidos morre logo no começo e pega um papel meio sem “gracinha”, mas tudo bem. Eu ainda indico pra quem gosta de contos!

    Beijos

    Lidia B.

    • 20.Fevereiro.2015

      Lidia,

      gostei da sua experiência com o filme. Obrigada por ter compartilhado conosco!

      Beijão…